26 de abr de 2019

Tribunal de Contas adquire novos drones para reforçar fiscalização


O Tribunal de Contas recebeu na última terça-feira (23) oito novos drones que servirão para reforçar as auditorias realizadas pelo órgão.Um dos principais usos do equipamento pelas equipes de fiscalização é na aerofotogrametria, que permite o mapeamento e medições de grandes áreas por meio dos mapas formados pelo processamento das imagens.

Entre outros pontos, o drone permite a otimização de recursos e do tempo necessário para realizar o trabalho, além do acesso a locais que dificilmente seriam possíveis às equipes, como, por exemplo, auditorias em barragens, lixões e obras de edificações. "Com os drones aumentamos as possibilidades de auditoria, pois conseguimos medir alguns detalhes em campo que antes não era possível", destaca Pedro Teixeira, servidor do Núcleo de Engenharia e um dos responsáveis pelo uso da tecnologia na instituição.

Para serem utilizadas, as aeronaves precisam ser registradas na Agência Nacional de Telecomunicações, na Agência Nacional de Aviação Civil e no Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA). Após isso, o TCE vai proceder o treinamento das equipes no que se refere ao planejamento dos voos, ao correto manuseio dos dispositivos e aos aspectos legais que envolvem a sua utilização. 

A princípio, o candidato a ‘piloto’ deve fazer o cadastro no Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas (SARPAS) do DECEA. O servidor cadastrado fará uma solicitação prévia todas as vezes que for utilizar o aparelho, informando o ponto de partida, a altura de voo e o raio que será investigado. A partir daí, o órgão faz uma verificação da proximidade de aeródromos, helipontos, aeroportos e de áreas de segurança que necessitam de um maior controle, a exemplo de unidades militares, indústrias, depósitos de gases e combustíveis, etc. “Outro requisito que deve ser observado é a altura máxima permitida para uso da aeronave, que é de 120 metros. Acima disso, somente helicópteros e aviões podem trafegar”, complementou Pedro Teixeira.

Da redação | PE mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

.

.