16 de jan de 2019

Deputada Gleide Ângelo questiona decreto de Bolsonaro sobre posse de arma

A delegada licenciada e deputada estadual mais votada da história de Pernambuco, com 412.636 votos, Gleide Ângelo (PSB), se projetou na política tendo como bandeira a segurança pública. Em entrevista ao programa Folha Política, da Rádio Folha FM (96,7), ela criticou o decreto do presidente Jair Bolsonaro (PSL), que flexibilixou a posse de armas, garantido a possibilidade de cidadãos com mais de 25 anos possuirem até 4 armas em casa.

Gleide Ângelo (PSB), em entrevista à Rádio Folha. | Foto: Alfeu Tavares / Folha de Pernambuco
"O que soluciona o problema de violência é ter uma segurança pública que dê proteção ao cidadão. É estruturar as polícias, com policiais bem capacitados e quantidade grande de policiamento. A gente vê policias mortos reagindo ao assalto com arma na mão. O que me preocupa é o cidadão de bem. Ele está preparado para reagir?", indagou a deputada.
Gleide chamou à reflexão sobre os riscos do decreto agravar o número de homicídios. "Em dia de jogo de futebol, o que será as pessoas armadas na rua? A gente vê que os crimes de intolerância aumentaram muito. Pessoas que matam por intolerância não têm condições de estar armadas", comentou. 

A parlamentar lembrou que existe uma diferença grande entre posse e porte de armas. A posse diz respeito à guarda da arma em residências e estabelecimentos comerciais. E o porte faz referência ao uso das armas nas ruas. Este precisa de aprovação de emenda constitucional no Congresso. Ainda assim, segundo ela, o fato de liberar a posse, ainda que com restrições e regras, como há no decreto, pode fazer as pessoas se sentirem à vontade de sair armadas de casa.
"A gente tem que lutar por uma segurança fortalecida para a população. Precisamos ter pessoas capacitadas, com treinamento constante. Se a gente tiver um investimento grande na polícia, o cidadão vai sair ganhando", insistiu a deputada.
Equiparação salarial - Gleide Ângelo criticou a ideia da equiparação salarial dos salários das polícias Civil e Militar.
"É inconstitucional. A Polícia Militar tem uma competência e a Civil tem outra. Mas todo mundo tem que ganhar bem. Os policiais botam a vida em risco por pessoas que não conhecem", disse.
Da redação | PE mais
com informações da Folha PE 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

.

.