21 de mar de 2018

Polícia Civil diz que produtos apodrecidos eram fornecidos à crianças no Cabo de Santo Agostinho

Caixas com dinheiro vivo foram apreendidas, além de jet skis
Foto: Divulgação/Polícia Civil
Deflagrada na manhã desta quarta-feira (21), a operação “Ratatouille” investiga desvios de verba pública em processos licitatórios na merenda da cidade. De acordo com os policiais, as cozinhas que preparavam os alimentos servidos aos alunos tinham condições precárias de higiene e usava até alimentos apodrecidos.

Segundo o delegado Joselito Kehrle, os suspeitos são investigados pelos crimes de desvios de recursos públicos e lavagem de dinheiro.
“A operação teve início com relatório do Tribunal de Contas que apontava descumprimento de um contrato realizado com o município do Cabo de Santo Agostinho onde além da quantidade inferior de alimentos para a merende, havia alimentos em decomposição. Além do desvio do erário público em obras. Os crimes apurados foram de caráter licitatório e lavagem de dinheiro, pois houve enriquecimento dos empresários e possivelmente a participação do ex-prefeito (Vado) e de um vereador e um secretário da ativa em outro município”, comentou.
De acordo com a Polícia Civil, ao menos uma empresa fornecia alimentos podres para o preparo dos alimentos e 20 mandados de busca e apreensão domiciliar e três mandados de sequestro de bens móveis foram cumpridos. Mas ninguém foi preso nessa fase da Operação Ratatouille.

Mandados

Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Civil, os mandados foram cumpridos em propriedades de membros da antiga gestão da cidade e de empresários, inclusive na casa do ex-prefeito, Vado da Farmácia. Expedidas pela 1ª Vara Criminal da Comarca do Cabo de Santo Agostinho, as ordens judiciais aconteceram nas cidades do Recife, Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Tamandaré, Escada, Sirinhaém, além do município onde os crimes teriam sido cometidos.

Nenhum prédio da administração pública da cidade foi visitado pelos investigadores nesta operação. No total, 130 policiais civis participam dos trabalhos. A reportagem do Jornal do Commercio não conseguiu contato com a defesa do ex-prefeito Vado da Farmácia.

Desvios foram registrados na gestão do ex-prefeito Vado da Farmácia (PSB). Investigadores afirmam que até alimentos apodrecidos eram usados no preparo da merenda servida aos alunos

Caixas com dinheiro vivo foram apreendidas, além de jet skis
 

A Polícia Civil de Pernambuco investiga desvios de verba pública em processos licitatórios na merenda do Cabo de Santo Agostinho, cidade da Região Metropolitana do Recife (RMR). De acordo com os policiais, as cozinhas que preparavam os alimentos servidos aos alunos tinham condições precárias de higiene e usavam até alimentos apodrecidos. Os desvios foram registrados entre 2013 e 2016, na gestão do ex-prefeito Vado da Farmácia.


Diante das péssimas condições de trabalho constatadas ao longo das investigações, os policiais nomearam a operação de “Ratatouille”, em referência ao filme de desenho animado, no qual uma cozinha é comandada por um rato. Segundo nota divulgada pela Polícia Civil na manhã desta quarta-feira (21), ao menos uma empresa fornecia alimentos podres para o preparo dos alimentos.

A Polícia ainda não esclareceu qual o valor que teria sido desviado dos cofres públicos do município, mas explicou que os suspeitos são investigados pelos crimes de desvios de recursos públicos e lavagem de dinheiro. Até as 5h45 desta manhã, 20 mandados de busca e apreensão domiciliar e três mandados de sequestro de bens móveis foram cumpridos.

Da redação | PE mais
com informações do JC On Line

Nenhum comentário:

Postar um comentário

.

.