3 de ago de 2017

Palmares ganha centro de reabilitação para crianças com microcefalia

Pacientes que precisam de atendimentos de reabilitação serão acompanhados por equipe multidisciplinar

Com a inauguração do serviço, as 12 Gerências Regionais de Saúde têm, pelo menos, um local de referência para reabilitação desses pacientes. Foto: Miva Filho / SES
O Hospital Regional Sílvio Magalhães, em Palmares, na Zona da Mata Sul do Estado, implementou desde ontem, quarta-feira (2), um centro de reabilitação para crianças com microcefalia (síndrome congênita do zika). Com a inauguração do serviço na unidade, as 12 Gerências Regionais de Saúde (Geres) de Pernambuco têm, pelo menos, um local de referência para atendimento em reabilitação desses pacientes. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES), o Estado agora passa a contar com 32 centros de referência, sendo 25 com reabilitação.

No local, os pacientes serão atendidos por especialistas em fonoaudiologia, terapia ocupacional, nutrição, fisioterapia respiratória e motora, além de contar com o apoio de profissionais de serviço social. Inicialmente, nove crianças serão atendidas na unidade. A ideia é expandir o atendimento para os cerca de 20 pacientes com microcefalia confirmados na região.
“A unidade procura estar sintonizada com as necessidades de saúde da região e atender essas crianças com síndrome congênita do zika vai diminuir as distâncias que essas famílias precisavam percorrer. Além disso, vamos ofertar o tratamento necessário para o desenvolvimento dessas crianças”, ressalta o diretor do Regional de Palmares, Christiano Paiva.
Os atendimentos de reabilitação têm sido feitos nas dez Unidades Pernambucanas de Atenção Especializada (UPAEs) espalhadas pelo Estado, além de hospitais regionais, grandes hospitais e serviços como a AACD, Fundação Altino Ventura (FAV) e Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip). Desde o início das notificações, em 2015, a Secretaria Estadual de Saúde computou 2.357 casos notificados, sendo 420 confirmados.

Da redação | PE mais

Nenhum comentário:

Postar um comentário

.

.