21 de fev de 2017

Em nota, FADIRE repudia denúncia de venda de diplomas



Através de uma nota enviada a imprensa a Faculdade de Desenvolvimento e Integração Regional (FADIRE) dá esclarecimentos e repudia denúncia de venda de diplomas, confira a nota na íntegra:

Nota Oficial

A Faculdade de Desenvolvimento e Integração Regional (FADIRE) vem a público emitir nota de repúdio e negar com veemência o seu envolvimento em suposto esquema de venda de diploma.

A FADIRE, entidade devidamente credenciada pela portaria MEC nº 3.806, é uma instituição de ensino superior com sede na cidade de Santa Cruz do Capibaribe-PE.

Com a missão de propagar conhecimento e formar pessoas para o exercício pleno da cidadania, esta instituição identifica-se por um caráter regional, comprometido com o desenvolvimento cientifico, profissional, social, econômico e cultural da região onde se localiza.

Constantemente a FADIRE vem tendo sua honra vilipendiada de forma covarde e irresponsável por pessoas que se valem da imunidade material para atacar e profanar inverdades contra esta instituição. 

Como é do conhecimento de toda a comunidade discente do Estado de Pernambuco, a FADIRE se notabilizou pelos bons serviços educacionais ofertados à comunidade acadêmica. Hoje é motivo de orgulho para toda a região do Agreste Pernambucano, encontrando-se totalmente consolidada no segmento educacional.

A comprovar a seriedade e qualidade dos serviços ofertados por parte desta instituição, no mês de outubro, a FADIRE foi avaliada pelo MEC e, em uma escala de 0 a 5, recebeu conceito 4, o que comprova a excelência desta instituição na sua missão educacional.

No final do ano de 2015, a FADIRE passou a ser questionada pela maneira que ofertava uma das modalidades de curso superior: os chamados cursos de extensão. Referida problemática está sendo discutida judicialmente, onde vale ressaltar que esta instituição tem logrado êxito na sua defesa.

Porém, pessoas que buscam constantemente ser notícia insistem em envolver o nome dessa instituição em suposta venda de diploma. Ora, como ocorrera venda de diploma se todos os alunos, de forma inexorável, prestavam vestibular, assistiam aulas e praticavam todas as atividades inerentes a discentes de um curso superior? 

Poderia se falar em venda de diploma caso ocorresse mercancia de certificação sem a existência de alunos em sala de aulas, sem a realização das atividades educacionais, ou caso estas atividades fossem prestadas por faculdade fantasma ou não credenciada pelo MEC, coisa que se sabe muito bem que não ocorreu. Não se pode aceitar notícias tão levianas e que distorcem os fatos e a realidade. A FADIRE é uma instituição legal, devidamente credenciada pelo MEC e que observou todos os mandamentos da legislação de regência na oferta de cursos superiores.

Se existiu venda de diploma, com certeza, essa conduta não fora praticada pela FADIRE. Nestes termos, não é justo esta instituição ter maculado sua honra com o suposto envolvimento em conduta tão grave e desleal. Vamos separar o joio do trigo.

Por isso, que se aponte de forma direta as hipotéticas faculdades que assim agiram, no intuito de fazer justiça às instituições sérias, comprometidas com missão sacerdotal de educar.

Por fim, que se deixe claro que a Faculdade de Desenvolvimento e Integração Regional (FADIRE) não se intimidará com condutas repugnáveis por parte de agentes públicos, que amparados no escudo constitucional da imunidade parlamentar, buscam lograr dividendos eleitorais em um assunto tão sério e importante: O direito sagrado à educação. Não deixaremos nenhuma falácia sem resposta.

Direção geral

Faculdade de Desenvolvimento e Integração Regional (FADIRE)


Da Redação | PEmais

Nenhum comentário:

Postar um comentário