20 de mai de 2016

'Canibais de Garanhuns' vão a novo júri popular, diz TJPE

Trio ficou de pé para escutar decisão no Fórum de Olinda (Foto: Anna Tiago/G1)

O trio conhecido como "Canibais de Garanhuns" deve ir a um novo júri popular, de acordo com a sentença de pronúncia publicada pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) desta sexta-feira (20). A Primeira Vara Criminal do município do Agreste determinou que os acusados serão julgados pelos crimes de assassinato, esquartejamento e ocultação de cadáver de outras duas vítimas: Gisele Helena da Silva e Alexandra da Silva Falcão, assassinadas em fevereiro e março de 2012, respectivamente.

Ainda segundo a sentença do TJPE, Gisele e Alexandra foram mortas a facadas e esquartejadas. Depois de esquartejarem, os acusados se alimentaram da carne das vítimas por três dias. Eles "ocultaram os demais restos mortais, que foram enterrados no quintal da residência [onde moravam os canibais]", afirma o TJPE. Eles teriam até utilizado parte da carne das vítimas para rechear coxinhas e salgadinhos que vendiam em Garanhuns.

Os acusados Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, Isabel Cristina Torreão Pires e Bruna Cristina Oliveira da Silva já foram condenados em 2014 por homicídio quadruplamente qualificado da adolescente morta em Olinda, Jéssica Camila da Silva Pereira, de 17 anos.

A Justiça ainda não definiu a data do júri popular porque ainda cabe recurso da defesa dos réus, conforme o TJPE informou ao G1. Os acusados afirmam fazer parte da seita Cartel, que visa a purificação do mundo e o controle populacional. A ingestão da carne faria parte do processo de purificação.

O caso veio a público depois que parentes de Gisele Helena da Silva denunciaram o desaparecimento dela. Os acusados usaram o cartão de crédito da vítima em lojas de Garanhuns e foram localizados. Uma publicação contendo os detalhes dos crimes - registrada em cartório - foi encontrada na casa dos réus.

Da redação do Blog PE mais
Com informações do Blog do Ney Lima

Nenhum comentário:

Postar um comentário

.

.