13 de mar de 2016

Paulo Rubem anuncia saída do PDT e faz críticas à direção estadual da legenda


O ex-deputado federal e presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Paulo Rubem Santiago, não é mais filiado ao PDT. Ele entregou na última sexta-feira (11), a carta de desfiliação do partido e não poupou críticas ao comando da legenda, que atualmente é do deputado federal Wolney Queiroz. Mesmo sem citar nomes, por meio do Facebook, ele disparou críticas contra a posição do próprio Wolney e do prefeito de Caruaru, José Queiroz, que presidiu o PDT por vários anos.

A aliança de ambos com o PSB na eleição de 2014 foi uma fãs reclamações. O PDT esteve com Armando Monteiro, com Paulo Rubem ocupando a vaga de vice e mesmo assim, a cúpula do partido ficou ao lado do socialista. Desde que entrou no PDT que Rubem sempre teve problemas com Queiroz, por não aceitar a maneira que ele conduzia o partido. Segue abaixo o texto postado para justificar a saída do PDT.
Comunicado à todos – Desfiliação do PDT 
Em 2007, após 27 anos, entreguei à Justiça Eleitoral minha desfiliação do PT, partido do qual fui fundador, dirigente, candidato a governador (1990) e parlamentar nas três esferas. Filiei-me ao PDT pela identidade do partido com as causas nacionalistas, pela defesa do trabalho e, em especial, pela defesa enfática da educação integral, pública e de qualidade. 
Nesse período, contribui na esfera nacional em diversas oportunidades, propondo e conduzindo seminários, discussões e projetos que em muito contribuíram com o partido e o país. Destaco nessa trajetória, a formação da Secretaria Nacional de Assuntos Econômicos no PDT, em março de 2015, os seminários sobre política monetária e os projetos de lei do plano nacional de educação, no qual aprovei minha emenda dos 10% do PIB e do fundo do pré-sal, onde aprovei outra emenda minha, dos 50% do fundo para a educação. 
Porém, em Pernambuco, após quase dez anos, todas as tentativas que fiz para construir a legenda, sem excluir ninguém, foram bloqueadas. O partido não faz eleições, não elege diretórios municipais nem o diretório estadual. 
Enquanto em outros estados e cidades, os parlamentares mais votados são prestigiados e estimulados à assumirem a condução do partido, em Pernambuco as instâncias provisórias existentes foram, sempre, contrárias ao exercício de nossos mandatos. Aqui, embora o PDT tivesse integrado uma aliança político-eleitoral estadual, parlamentares e dirigentes do partido, em 2014, apoiaram o PSB, que, por sua vez apoiou o candidato do PSDB no segundo turno. 
Agora o PDT segue aliado ao PSB e os “socialistas” se colocam no campo da oposição conservadora ao governo Dilma. Por isso entreguei hoje, 11 de março de 2016, ao PDT, a minha desfiliação, renunciando, por isso, à condição de membro da executiva nacional. 
Paulo Rubem Santiago
Da redação do blog PE mais 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

.

.