22 de abr de 2015

Música nordestina perde o Maestro Camarão

A música nordestina está em luto. Morreu na manhã de ontem, terça-feira (21), no Hospital Santa Joana, que fica no bairro do Derby, área central do Recife, o maestro Camarão, uma das referências do autêntico forró nordestino. O instrumentista de 75 anos fazia hemodiálise há anos e não teria resistido à complicações cardíacas. Autor de parcerias com Ivan Bulhões e Azulão, Camarão era um mestre na sanfona. 

Nascido em Fazenda Velha, distrito de Brejo da Madre de Deus, Camarão dedicou a maior parte de sua vida à música, sobretudo, à sanfona. O interesse pelo instrumento surgiu dentro da própria família. O oito baixos do seu pai, que era deixado na cama quando ele ia para a roça, foi descoberto por Camarão. “Maria Bonita” foi tocada pelo menino aos sete anos de idade. Aos 20 anos, Camarão ingressou na Rádio Difusora de Caruaru, onde grandes músicos como Sivuca e Hermeto Pascoal também estiveram. Camarão recebeu grande influência de Luiz Gonzaga, inclusive na produção de seus primeiros discos. 3 

Reconhecido por ventilar o ritmo regional por sopros de sax, trompete e trombone, Camarão tem grande importância na efervescência musical do Estado de Pernambuco. Em 1968, ele cria a primeira banda de forró do Brasil, a Banda do Camarão. 4 Entre os discos, podemos citar: Camarão, Forró pra Frente, Na Toca do Camarão – Camarão e seu Acordeon, A Bandinha do Camarão, Camarão plays Forró, Banda do Camarão, Forrofando em Caruaru.
No São João de 2014 em Caruaru, Camarão tocou ao lado do filho Salatiel (Foto: Paula Cavalcante/ G1)
Desde a década de 1980, Camarão mora no Recife, onde ministra aulas de sanfona na Escola de Acordeon de Ouro, fundada por ele e localizada em Areias. Foi homenageado no São João de Caruaru em 1999 e de Recife no ano de 2007. Camarão obteve o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco em 2003.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

.

.