15 de abr de 2015

Festival do Jeans de Toritama não terá rodada de negócios durante a edição 2015

Fotos: Divulgação.
Um dos maiores eventos de moda do Norte e Nordeste do Brasil vem entrando em decadência nos últimos anos. O tradicional Festival do Jeans que é realizado em Toritama anualmente no mês de maio, com a estratégia de alavancar as vendas após o declínio do comércio com a passagem do Carnaval, nos últimos anos o evento tem perdido cada vez mais conteúdo.

Comparado às primeiras edições que contava com apoio de grandes empresas nacionais do ramo têxtil, parcerias com empresas publicas e privadas, atores Globais, mídia em TV, Rádio, Internet, rodadas de negócios, palestras, desfiles e shows, hoje a situação é bem diferente.

Se no ano passado o evento quase não foi realizado, levando em conta que alguns investimentos foram cancelados com a justificativa do vandalismo ocorrido na Prefeitura Municipal de Toritama. Este ano o projeto começa a ser anunciado faltando trinta dias para abertura do Festival, que acontecerá de 14 à 18 de maio.

Com a notícia de que não haverá rodada de negócios torna quase insignificante a edição do evento deste ano, tendo em vista que os shows que também não estão confirmados, não têm a menor influência para o aquecimento do comércio, o que atrai o cliente é rodada de negócios.

O Presidente da Acit (Associação comercial e industrial de Toritama) Ronaldo Jonas, eleito para o biênio 2015/2016, esteve nas principais emissoras de rádio do município convocando os empresários para uma reunião e disse que o evento será na base do improviso por está em cima da hora, pois antes era realizado pelo Parque das Feiras que passou a coordenação para a Acit.

“O Festival do Jeans não pode ser esquecido, é um evento de porte nacional… Nós iremos realizar na base do improviso porque está em cima da hora; nós recebemos de última hora a missão de resgatar o Festival do Jeans, sabemos que o tempo é curto, estamos dialogando com empresários e a partir de amanhã será dado o ponta pé inicial para resolver essa situação”.
Em seguida, o presidente concluiu que pretende montar uma comissão com os empresários de Toritama, além das participações da ACIT, AFEST e instituições para que após o fim do evento, já comecem a trabalhar na realização do evento em 2016.
“O evento de moda tem que existir sistematicamente e independente, cabe ao empresariado de Toritama saber que esse evento pertence a ele, e que não pode mais deixar que aconteça o que ocorreu há dois anos e que vem acontecendo, então vamos lutar, vamos tentar resgatar e fazer o possível e o impossível para colher os frutos pós festival”, relatou.
Fica claro e evidente que a falta de entrosamento entre as associações, classe empresarial e classe política, interfere diretamente na falta de investimento e comprometimento com o evento que em um passado bem recente aquecia a economia da cidade nesse período do ano.

Do blog de Ney Lima

Nenhum comentário:

Postar um comentário

.

.